Expresso Real Rio - Mobilidade Fluminense

Ir para o conteúdo

Menu principal:

 

Expresso Real Rio


A Expresso Real Rio que conhecemos hoje começou a nascer na década de 80, quando a Empresa de Viação Angrense – EVAL, resolveu repassar o setor Queimados para uma empresa de Nova Iguaçu, a Turismo Trans 1000.
Esse setor compreendia as linhas que a mesma possuía ligando Cabuçu, Itaguaí e redondezas ao Rio de Janeiro, passando pela Universidade Rural e por Queimados.

A Empresa Viação Angrense Ltda., mais conhecida como EVAL, operou por muitos anos no prefixo RJ131 das linhas intermunicipais.

Em meados dos anos 80, a Eval perde seus setores urbanos de Itaguaí e da Dutra, originando duas empresas: Trans1000 e Real Rio.

Inicialmente, a Real Rio era uma empresa pequena e operava apenas linhas para o Centro do Rio.
112B - Central x Itaguaí (via Rio-Santos) linha da Real Rio original
441B - Central x Seropédica (via KM 32) linha da Real Rio original
444B - Central x Cabuçu (via KM 32) linha da Real Rio original
446B - Central x Lagoinha (via KM 32) linha da Real Rio original
113D - Itaguaí x Niterói (via Rio-Santos) linha da Real Rio original

No fim dos anos 80 a empresa é adquirida pelo grupo JAL, então a Real Rio recebe um setor enorme da Ponte Coberta, basicamente abrangendo as linhas de Campo Grande, Seropédica e Paracambi:

737P - Campo Grande x Campo Lindo (via KM 32) linha da Ponte Coberta
738P - Campo Grande x Ilha da Madeira (via KM 32 e Piranema) linha da Ponte Coberta
739P - Campo Grande x Seropédica (via KM 32) linha da Ponte Coberta, antiga CG x Belvedere
740P - Campo Grande x KM 34 (via Rio-SP) linha da Ponte Coberta, atualmente extinta
741P - Campo Grande x Praça Castilho (via KM 32) linha da Ponte Coberta, atualmente extinta
744P - Campo Grande x Ponte Coberta (via KM 32) linha da Ponte Coberta, atualmente seccionada em Seropédica
545P - Campo Grande x Paracambi (via KM 32) linha da Ponte Coberta, atualmente seccionada em Seropédica.
547P - Campo Grande x Japeri (via KM 32) linha da Ponte Coberta, atualmente extinta dando origem a outra linha com esse número.
436S - Paracambi x Sepetiba (efetivamente Belvedere x Sepetiba) atualmente extinta
749P - Belvedere x Santa Cruz (via Av. Brasil) linha da Ponte Coberta, atualmente extinta
709P - Cacaria x Vila Geni (via Piranema) linha da Ponte Coberta, atualmente seccionada em Seropédica
560P - Cacaria x Itaguaí - linha da Ponte Coberta, atualmente extinta

No eixo principal de operação (BR465) havia certa sobreposição com as linhas do pacote e aquelas que ficaram com a PC (Jd. Paraíso, Lagoinha e São Francisco, entre outras). Houve um enxugamento: as linhas mais longas foram cortadas em Seropédica - 545, 709, 744, 547, 739 - e as mais curtas foram extintas.

A Real Rio também assumiu duas linhas da Pedro Antônio, ambas partindo de Paracambi:
434S - Paracambi x Vila Geni (via Piranema) linha da Pedro Antônio, atualmente seccionada em Seropédica e Itaguaí
MP71 - Paracambi x Fontes (via Dutra) linha da Pedro Antônio, atualmente extinta

Ao contrário das outras empresas do grupo JAL, a Real Rio acabou ficando com uma cara mais "interiorana". Tal fato pode ser explicado pela operação, ainda que esparsa, em locais nas franjas da Região Metropolitana (Cacaria e Paracambi) ou mesmo o eixo da BR465. Mal comparando, uma Cascadura x Jardim Redentor tem mais aspecto "urbano" que a Campo Grande x Ilha da Madeira.

Na história recente da empresa, dois fatos chamam a atenção. O primeiro foi a extinção do serviço rodoviário com a chegada de 30 Viale refrigerados em outubro de 2001, alocados nas linhas da Central e do Castelo. Três anos depois, em 2004, a empresa recebe alguns Citmax 0km com a nova pintura. Ela quebra a identificação com a Flores, o que é pertinente, mas ainda mantém laços com o grupo.


A Trans1000 ficou para si com as linhas de Queimados para o Centro do Rio e para as outras linhas herdadas da EVAL, criou a Expresso Real Rio.


Destas ainda são operadas a 738P e as linhas de Cacaria, distrito de Piraí. Mas com a mesma velocidade que ela chegou a Ponte, ela foi para as mãos do Grupo JAL.

Quanto a Trans1000 ela existe apenas em registros fotográficos e na memória de quem viu e usou de seus serviços.
A EVAL transferiu as suas linhas para a Costa Verde e passou a viver de turismo e fretamento.

Comentários


 
Sem comentários
 
Voltar para o conteúdo | Voltar para o Menu principal